ENCONTRO DE DOIS IRMÃOS APÓS 100 ANOS

Caros primos descendentes de CAROLINA HUTTER

Faz muito tempo que eu penso em participar de uma reunião dos familiares descendentes de CAROLINA HUTTER, um ramo, radicados em Jaú e derredores e outro em Matão e arredores.

Esta minha ideia, minha pretensão vem desde que conheci, no ano de 1999, ROSA MARIA DE JESUS e vários de seus filhos, em pequena visita de pouco mais de uma hora em uma noite que parei em Matão, indo de Catanduva para São Paulo, e logo após, JOSÉ UTHER (HUTTER), também conhecido como José Futi, quando eu voltava de Santa Rita do Passa Quatro (SP) para Lins, passando por Jaú.

A impressão que me marcou muito quando estive com Rosa Maria e seus filhos foi a grande alegria deles em receber minha visita, o orgulho deles de serem também descendentes de MELGES, e a cortesia, não somente da mãe, mas também dos filhos. Para mim, foi maravilhoso aquele encontro, e isto já falei para muitos primos e amigos.

Recomendado pelo Arthur Melges, já falecido, cheguei à casa do José Futi, para conversar com uma pessoa que havia “conhecido os Melges”, e para minha surpresa, logo nos primeiros cinco minutos, eu descobri que já sabia que estava diante de JOSÉ HUTTER, filho de Carolina Melges e Augusto Hutter. Fiquei muito contente com isto pois, apesar de já ter conseguido cadastrar parte desta família, não tinha encontrado ainda ninguém deste ramo familiar. Contei então ao José Futi, que na realidade ele era José Hutter, quando então me mostrou a sua carteira de identidade que indicava que ele era José UTHER.

Expliquei a ele a diferença, falei no nome do pai e avós paternos dele, pois naquela época eu já carregava um caderno básico, de capa azul, que carrego até hoje em minhas andanças genealógicas. No final da visita, falei a ele que iria dar um jeito de apresenta-lo aos descendentes do irmão dele lá de Matão, mas infelizmente os meus problemas profissionais não permitiram que fizesse isto a tempo.

Com isto, quando retomei os contatos com os parentes e dei continuidade aos trabalhos históricos e genealógicos, tratei de procurar então os descendentes de José Hutter, e retomar o contato com os de Benedito Melges, e agora, creio que estamos perto de conseguirmos um encontro familiar de dois irmãos após 100 anos.

É claro que fisicamente os dois irmãos não irão se reencontrar, mas, com o encontro dos filhos, netos e bisnetos, poderemos concretizar este encontro de irmãos.

Preciso fazer uma visita especial à dois irmãos lá em Araraquara, Sebastião e Conceição, primos do José Hutter e do Benedito Melges, pois este casal de irmãos me contaram uma história com fatos semelhantes ao que eu ouvi em Matão e Jaú, que vieram confirmar então as primeiras descobertas sobre o patriarca JOÃO MELGES.

Carolina Melges era filha de João Melges e Izabel Klein.

Antonio Melges era irmã Carolina, e então, também era filho de João Melges e Izabel Klein. Antonio com Sebastiana Queiroz, e deste casamento, nasceram Sebastião e Conceição que ainda residem em Araraquara, e também Luiz Melges e antonio Melges Filho, dos quais não tenho notícia, mas creio que já são falecidos.

Pensando nisto tudo e assistindo uma das edições de um programa da TVTEM chamado REVISTA DE SÁBADO, onde um apresentador muito legal – um pouco amalucado – mostra as histórias interessantes das cidades do interior paulista, pensei em tentar conseguir que aquele programa pudesse incluir o “ENCONTRO DE DOIS IRMÃOS APÓS 100 ANOS” dentro das filmagens de Jau ou de Matão.

Tentei algumas formas de contato em uma manhã e para minha surpresa, em menos de duas horas recebi a ligação de um produtor de matérias da Globo, demonstrando interesse no assunto e depois de um bom papo, ele disse que iria incluir o assunto da pauta da próxima reunião, para que o tema fosse motivo de estudo.

Como a cidade de Matão pertence à região de Ribeirão Preto, e então seria outra equipe jornalística, eu concordei em que a reunião ocorresse na cidade de Jaú, pois de qualquer forma, alguns parentes iriam ser obrigados a viajarem mesmo.

Estamos então à espera da resposta da TVTEM, mas eu e meu filho estamos montando uma agenda e tomando algumas providências para a hipótese de que isto ocorra.

Por outro lado, estou tentando encontrar descendentes de outros irmãos, filhos de Carolina Melges e Augusto Hutter, quais sejam a Dioneta Hutter, o Francisco Hutter e o Antonio Bernan Hutter, mas ainda nada consegui disto.

Quem conhecer o sobrenome Hutter nas regiões abrangidas por Jaú, Araraquara, São Carlos, Ribeirão Preto, por favor, contem esta história, e se forem parentes, por favor, peçam para me contatar.

Walmir da Rocha Melges – 16 de março de 2016

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Inscreva-se para receber nossa newsletter...

Esta informação nunca será compartilhada!